segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Monólogo "O Morto" 1999

Em 1999, eu tinha 17 anos e me preparava para entrar em cena no meu primeiro monólogo: "O Morto", minha autoria e direção do Vicente Motoshima.
Era um texto inspirado num trecho do livro Dom Casmurro do Machado de Assis.
Lembro que na primeira apresentação fiquei muito nervosa e pulei um pedaço do texto. Era a primeira vez que eu estava sozinha em cena. A partir da segunda apresentação fiquei mais tranquila e tudo foi perfeito.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Ganhei Edital do Proac de Espetáculos Inéditos.


Ganhei o Proac Edital de Espetáculos Inéditos. 

Vou montar mais uma peça francesa que eu traduzi.


O contrato já está assinado! 


Uma parceria da BANFFY PRODUÇÕES ARTÍSTICAS com a CACILDINHA PRODUÇÕES.


Estreia em 2015.


Em breve, eu conto mais!

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Os Justos na Mostra e no SESI de Jundiaí.

OS JUSTOS será a peça de abertura da Mostra Jundiaiense de Teatro hoje (10/12/14). 
E terá outra sessão no SESI Jundiaí na sexta (12/12/14). 

















Ambas às 19:30h e com entrada gratuita.
















Volto a encarnar a terrorista Dora nessas duas sessões.

Festa do Prêmio Femsa.

Equipe de O Jovem Príncipe e a Verdade na festa do Prêmio Femsa.


















Das 52 peças avaliadas pela comissão julgadora em 2014, fomos umas das poucas que receberam indicações, e isso já é um vitória! Muito orgulhosa de ver que um projeto tão querido chegou até aqui!

Da esquerda para direita: Amanda Banffy (tradutora e atriz), Fran Barros (designer de luz), Daniel Costa (ator), Leonardo Santiago (ator) e Fernanda Maia (compositora e diretora musical).

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

terça-feira, 11 de novembro de 2014

domingo, 26 de outubro de 2014

domingo, 28 de setembro de 2014

Livros

A maior parte dos livros desta foto eram do meu pai. Quando mudei da antiga casa para o apartamento atual, não foi possível trazer tudo, eram muitos livros (em húngaro, alemão, português, inglês e alguma coisa em espanhol e francês)! Meu pai lia o tempo tempo, e sempre me incentivou a ler.
Minha família perdeu a casa e todos os bens materiais na 2ª Guerra Mundial, tiveram que abandonar a Hungria carregando o que conseguiram nas malas. Meu pai era criança quando teve que deixar seu país, recém invadido pelo exército russo. Era uma família rica, meu avô havia estudado no colégio da realeza (onde somente os filhos dos nobres poderiam ingressar). Perderam tudo! Ficaram um tempo refugiados na Alemanha, passaram por muitas dificuldades, até mesmo para se alimentar.

Aqui no Brasil, tiveram que recomeçar a vida do zero. Se meu avô fosse médico ou engenheiro, poderia ter continuado a profissão dele aqui, mas nem isso! Ele era Juiz, e conhecer a legislação húngara de nada servia aqui no Brasil. Eles nem mesmo falavam português.
Mesmo nos tempos de refugiado, meu pai nunca deixou de estudar, sempre leu tudo o que podia, e me ensinou que ”a única coisa que ninguém pode tirar de você, é o seu conhecimento”. Ele também dizia, que se de um livro inteiro, um único parágrafo te ensinar alguma coisa, já valeu a pena a leitura. E sempre falava que todo o conhecimento que você adquirir pode ser útil algum dia.

Já fazem quase 6 anos que meu pai se foi, mas os ensinamentos dele permanecem presentes e vivos em mim.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Peça: A Puta Respeitosa, de Jean-Paul Sartre

Fiz um álbum no Facebook com fotos dessa peça que dirigi em 2006.

Texto afiado do Sartre, denunciando o racismo, a corrupção na polícia e na política e tantas outras coisas tão atuais... sendo que o texto foi escrito em 1946!

Sinopse:
O sobrinho de um Senador assassinou um homem negro, simplesmente por racismo. A prostituta Lizzie foi testemunha do crime. A partir daí, o político irá procura-la para pedir que dê um falso testemunho, dizendo que o negro tentou estuprá-la, e que seu sobrinho o matou para defende-la. Usarão de ameaça, suborno e por fim... a boa lábia do Senador!
























Saudade dessa montagem!
O elenco todo foi brilhante. Adorei dirigi-los.

















As fotos estão nesse link:
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10204901890293973.1073741828.1441606077&type=1&l=935f01742e

domingo, 21 de setembro de 2014

Lendo...

Continuo minha pesquisa por textos contemporâneos e inéditos no Brasil.
Estou lendo mais uma francesa...




















sábado, 13 de setembro de 2014

1998 - O Grande Circo Místico

Em 1998, eu com 16 aninhos, atuando no meu 3º espetáculo: 















"O Grande Circo Místico", de Chico Buarque e Edu Lobo. 

















Direção Cênica: Vicente Motoshima. 
















No Teatro Municipal de Osasco.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

domingo, 17 de agosto de 2014

Mudança de visual.

Semana passada cortei meus cabelos bem curto.
























Fiquei muito contente com o resultado!
Acredito que esse corte externaliza bem melhor minha personalidade do que o cabelão comprido que eu tinha antes.
























Doei os cabelos cortados para as crianças com câncer.




segunda-feira, 4 de agosto de 2014

"A estrada de Wolokolamsk" de Heiner Müller.

Em 2006, dirigi a peça "A estrada de Volokolamsk 1: Abertura Russa." de Heiner Müller. No elenco, a atriz francesa Helène Chabert e o ator brasileiro António Furtado. Ficamos em cartaz no Teatro Laboratório da ECA-USP.
O texto fala sobre o medo dos soldados russos diante do forte exército alemão, tão bem equipado e preparado, no início da Guerra.

O texto é belíssimo. Seguem alguns trechos:
"Meus soldados vinham da escola. Haviam visto a Guerra no cinema. Eu era o comandante, e o meu medo, era o medo diante do medo deles."
"O medo é a mãe do soldado, e o primeiro corte rompe o cordão umbilical, e aquele que escapa ao corte, morre, por causa da mãe."


















Eu sinto que as duas grandes guerras mundiais me dizem respeito. Meu pai não teria vindo para o Brasil, não teria conhecido a minha mãe, e eu não teria nascido se não fosse a 2ª Guerra Mundial.




































Tudo isso me faz pensar na peça do Sartre "O Diabo e Bom Deus", em que um general resolve ser um "homem bom", e a partir dessa decisão, morrem muito mais pessoas. Aí vem a conclusão de que todos os atos tem consequências "boas" e "más", e não há como escapar.

domingo, 3 de agosto de 2014

Chegou livro novo.

Comprei pela internet de uma livraria na França, e entregaram rápido aqui na minha casa. Adoro a tecnologia e a globalização! Pena que a taxa de câmbio foi cara...


















Muito trabalho pela frente! Não só a tradução, mas depois a parte mais difícil: levantar verba para encenar. Infelizmente dinheiro destinado à cultura ainda é muito pouco no Brasil.
É preciso batalhar muito para produzir teatro e tem vários textos excelentes aqui na espera de serem montados! Deste jeito, eu continuarei não tendo tempo nem para respirar!

sábado, 26 de julho de 2014

1998 - A Fada da Amazônia

Do fundo do baú... 
Em 1998, eu tinha 16 anos e participava do meu 2º espetáculo: "A Fada da Amazônia" de Júlio Starteri, no Teatro Municipal de Osasco. 
















Tinha orquestra, ballet e atores.
















Era uma peça infanto-juvenil e eu meu personagem era um caçador, que destruía a natureza.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Projeto para edital.

Escrevendo projeto de teatro para edital. 
Outra tradução minha. 
Mais um excelente texto francês inédito no Brasil.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Apresentadora - Noivas TV Web.

Há 2 anos e meio eu gravei meu primeiro trabalho como Apresentadora para o programa Noivas TV Web.


Entrevistamos especialistas em diversas áreas, que deram dicas preciosas às noivas, para planejar o casamento perfeito.

Assista o primeiro vídeo do canal no link abaixo:

http://vimeo.com/35165812


sábado, 28 de junho de 2014

Leitura "Kean" no Instituto Capobianco.

Na última quinta-feira, tive o prazer de ler a peça "Kean", de Alexandre Dumas com adaptação de Jean-Paul Sartre, como a personagem Helena.


















Foi no Instituto Cultural Capobianco, com curadoria do Tamayo Nazarian


quinta-feira, 29 de maio de 2014

O que eu estava fazendo há 10 anos atrás? (Parte 2)

Em 2004, atuei no meu primeiro curta-metragem "Multi-plot".
O elenco era apenas eu e mais um ator, mas fomos multiplicados por 3, mostrando três diferentes possibilidades de encontros entre o casal.














Lembro que fiquei um pouco tensa no dia da gravação, pois ainda não estava habituada com a presença de uma câmera.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Jovem Príncipe na Virada Cultural.

"O Jovem Príncipe e a Verdade" se apresentou na programação oficial da Virada Cultural.

















Foi no último domingo (18/05). 












No Palco Pátio do Colégio.




sábado, 3 de maio de 2014

O que eu estava fazendo há 10 anos atrás?

Em 2004, dirigi uma cena baseada em "As Moscas" de J-P Sartre, quando fazia habilitação em Direção Teatral na ECA-USP.
















 
Foi a 3ª cena que dirigi.

















O texto aborda a história de Electra e Orestes sob um ponto de vista existencialista.


















Na encenação, eu colocava cada ator seguindo para um compartimento diferente, e o público escolhia se assistia Electra e ouvia de longe o Orestes, ou ao contrário.