segunda-feira, 4 de agosto de 2014

"A estrada de Wolokolamsk" de Heiner Müller.

Em 2006, dirigi a peça "A estrada de Volokolamsk 1: Abertura Russa." de Heiner Müller. No elenco, a atriz francesa Helène Chabert e o ator brasileiro António Furtado. Ficamos em cartaz no Teatro Laboratório da ECA-USP.
O texto fala sobre o medo dos soldados russos diante do forte exército alemão, tão bem equipado e preparado, no início da Guerra.

O texto é belíssimo. Seguem alguns trechos:
"Meus soldados vinham da escola. Haviam visto a Guerra no cinema. Eu era o comandante, e o meu medo, era o medo diante do medo deles."
"O medo é a mãe do soldado, e o primeiro corte rompe o cordão umbilical, e aquele que escapa ao corte, morre, por causa da mãe."


















Eu sinto que as duas grandes guerras mundiais me dizem respeito. Meu pai não teria vindo para o Brasil, não teria conhecido a minha mãe, e eu não teria nascido se não fosse a 2ª Guerra Mundial.




































Tudo isso me faz pensar na peça do Sartre "O Diabo e Bom Deus", em que um general resolve ser um "homem bom", e a partir dessa decisão, morrem muito mais pessoas. Aí vem a conclusão de que todos os atos tem consequências "boas" e "más", e não há como escapar.
Postar um comentário