quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Adeus PAI. (ou, até um dia?)

Está difícil escrever, difícil respirar, difícil ter consciência disso tudo. Estou simplesmente destruída com o falecimento do meu pai. Queria falar sobre ele aqui, mas a ferida é muito profunda, não consigo mexer nisso agora.

Pai, eu te amo infinitamente! Serei eternamente orgulhosa de você! Obrigada por tudo o que você me ensinou e tudo o que fez por mim. Achei que teria você por muitos anos ainda... me arrependo de ter estado tão distante nos últimos tempos. Agora é tarde. Mas você vive em mim. Nas minhas lembranças, no meu caráter, na minha vontade de viver, na minha fome por conhecimento e cultura, na minha capacidade de amar e respeitar as pessoas... tudo isso é você em mim. Um grande homem. O melhor pai que alguém poderia ter. Sempre disposto a ajudar, sempre de bom humor, sempre resolveu tudo com tranquilidade. Meu querido e amado pai, já morro de saudades. A dor está presente na sua ausência em todos os cantos da casa, no telefone que você não vai atender, no e-mail que você não vai responder. Você merecia muito mais! Eu tinha tanta coisa ainda para compartilhar com você... Um homem digno de todo o amor, admiração e respeito. Pai, nunca vou esquecer você, pois te vejo quando me olho no espelho, te sinto quando fecho os olhos. Sou esse pedacinho de você continuando a vida. E se hoje a vida me parece ruim demais, vou lembrar que tenho a sua força, sou guerreira como você. Dói, chego a pensar que não vou suportar, mas vou até o fim, como você!

Será que você sabia de tudo isso que eu sentia? Tantas coisas eu só fui dizer hoje, ao lado do caixão... Claro que você podia sentir o quanto era importante para mim, o quanto eu te admirava... eu sempre te procurei nas horas de tomar decisões sérias, confiava totalmente na sua sabedoria. Um homem de uma inteligência fora do comum, capaz de discutir qualquer assunto. Sim, eu não precisava dizer, você sentiu em cada gesto meu, o meu amor.

Descanse em paz. Te amo! Te amo! Te amo! Te amo!... meu pai sempre.

Agora vou cuidar da mamãe, dizer e fazer tudo enquanto é tempo. Eu andava me ocupando demais com o que nem era tão importante. Chega! A vida é outra coisa...
Postar um comentário